PSICOTERAPIA ONLINE: CHEGOU, CRESCEU E PARA MUITOS VAI FICAR!

          No que diz respeito a prática da modalidade de Psicoterapia através de meios tecnológicos aqui no Brasil, o CFP (Conselho Federal de Psicologia) criou em 2005 a primeira Resolução (012/2005) que tratava desse tipo de atendimento. A partir de então essa opção só foi ganhando notoriedade, e em 2018 chegou-se na resolução 11/2018, sendo essa a que atualmente, regulamenta o atendimento online.
          Há um tempo a(o) profissional da Psicologia tem essa possibilidade de atendimento, mas o crescimento real dessa atuação vinha acontecendo de forma tímida, com muitos receios por parte de profissionais, por ser algo tão moderno e desconhecido para a maioria. No entanto, o ano de 2020 nos colocou diante uma situação nova e inesperada: A Pandemia Mundial da Covid-19. Do nada, nos vimos todas e todos tendo que entrar em isolamento, mudar totalmente nossa rotina e isso incluiu a forma do nosso trabalho. “Como vou realizar meus atendimentos se nem eu, nem a(o) cliente podemos sair de casa sem correr riscos?” Essa provavelmente, foi a pergunta inicial entre a classe de psicoterapeutas.
          E foi a partir dessa nova realidade com grandes limitações que fez profissionais se colocarem para enfrentar a resistência e o preconceito – nesse caso me referindo a uma opinião negativa formada sem conhecimento da prática online – a darem uma chance para essa modalidade. O CFP facilitou essa transição ao formular a resolução 04/2020, explicando como esses atendimentos poderiam acontecer no período de pandemia e a facilitação do cadastro de profissionais no E-psi, plataforma em que toda(o) Psicóloga(o) deve estar cadastrado para atuar online. E o resultado para a maioria das pessoas da área com quem converso tem sido bastante positivo! Tem feito muitas(o) descobrirem na prática que não é impossível, inviável, difícil de estabelecer vínculo e transferência como anteriormente pensado.
          Apesar da facilidade que pode ser identificada no atendimento online há desafios e princípios éticos a serem enfrentados nessa forma de atuação. É imprescindível que todo o código de ética profissional da Psicologia deva ser respeitado nessa modalidade. Sendo o grande desafio a segurança e sigilo das informações, uma vez que a internet não é um ambiente 100% seguro, cabendo a ambas as partes (profissional e cliente) a responsabilidade para reduzir ao máximo esses riscos usando as plataformas e seguindo as recomendações da forma correta. Por conta dessas especificidades que o contexto online traz é essencial que qualquer Psicóloga(o) ou psicoterapeuta estude e busque uma capacitação para realizar seu trabalho de maneira mais qualificada possível pois, ouso dizer, que o modelo online chegou, cresceu e para muitos vai ficar!
          Uma nova forma de atuação, não substitui a outra. Quando estiver mais seguro retornar ao espaço clínico será ótimo! Eu mesma sinto muita falta! Mas agora sei que não sou mais limitada ao atendimento presencial, e o online com certeza será uma ferramenta que continuarei usando.

LHAÍS VASCONCELLOS
PSICÓLOGA CLÍNICA CRP 13/7803

Você pode também gostar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.